quarta-feira, 5 de maio de 2010

Abriu os olhos dando de cara com o rádio relógio marcando em grandes números vermelhos, nove horas e trinta minutos pensou “Merda! Estou atrasada”, levantou rapidamente correndo em direção ao banheiro, tirou a camisola rosa de cetim que tinha escolhido a dedo para surpreendei o marido na noite anterior, tinha tudo planejado para ser a noite romântica que há muito tempo não tinham, depois de casados a alguns anos o romantismo se perde sem se perceber, saiu mais cedo do trabalho para ter tempo de fazer o jantar preferido do marido, depois que estava tudo pronto tomou um banho demorado, abriu a gaveta e lá estava a camisola que tinha ganhado do marido no ultimo aniversário de casamento e que estava guardada para um momento especial como esse.
O marido sempre chegava às oito horas da noite e já passavam das dez quando ela percebeu que tinha bebido metade da garrafa de vinho, antes reservada para o jantar, e o marido não tinha dado sequer um telefonema. Terminou o vinho com a raiva e a solidão ao seu lado, pegou o telefone e discou o número do celular do marido, depois de alguns toques caiu na caixa postal, desligou o telefone e o arremessou em direção a cozinha.
Ficou mais alguns minutos no sofá imaginando onde o marido poderia estar, com quem e o que estava fazendo que seria mais importante que a sua companhia, levantou e percebendo que estava um pouco tonta pelo efeito do vinho, foi direto para seu quarto, deitou em sua cama com as mãos na cabeça e chorou durante alguns minutos até pegar no sono.
Durante o banho se deu conta de não lembrar de que horas seu marido tinha voltado para casa e nem que horas tinha saído para trabalhar, saio com o cabelo enrolado na toalha branca e olhou para a cama, estava intacta do lado que seu marido dormia habitualmente, a vontade de chorar voltou mais dessa vez ela não cederia tão fácil, abriu o armário e escolheu uma bermuda caqui e uma regata branca, nesse momento seu telefone tocou, o identificador de chamadas indicava que a ligação vinha do celular do marido, pensou durante alguns segundo em não atender, mas não resistindo atendeu, do outro lado da linha uma mulher que se identificou como enfermeira avisou que um homem havia sofrido um grave acidente de carro e o a ultima ligação vinha desse numero, nesse momento desligou o telefone e saiu correndo de casa, entrou no carro e a caminho do hospital pensou “Ainda bem que ele não está me traindo.”.

Um comentário:

  1. melhor no hospital do que com outra.. NOssaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir